Cãibras musculares associadas ao exercício e sua relação com a nutrição

Por Diane Benini
Nutricionista CRN2 11181
Mestre em Ciências da Reabilitação – UFCSPA
Pós-Graduada em Nutrição Esportiva e Treinamento Físico – UNISINOS
Antropometrista ISAK Nível 2

As cãibras musculares associadas ao exercício físico são imprevisíveis, dolorosas e podem acometer atletas ou esportistas de diversas modalidades esportivas (principalmente em exercícios de resistência ou endurance, como maratona e triatlo) e pode levar a um comprometimento no desempenho durante os treinos e provas. Alguns estudos envolvendo provas de endurance, relataram uma prevalência de 30-50% da ocorrência de cãibras em maratonistas e 67% em triatletas em diferentes condições de treino. No futebol americano, as cãibras foram identificadas como 73% das lesões associadas ao calor.
As causas das cãibras musculares associadas ao exercício físico ainda não estão totalmente estabelecidas na literatura. Além da teoria da fadiga muscular central, outras teorias foram sugeridas para explicar o surgimento das cãibras musculares, como:

Teoria ambiental: sugere que a etiologia das cãibras pode estar associada a temperatura elevada que, aliada ao exercício, aumenta a temperatura corporal e pode alterar reações responsáveis pela contração muscular. Também as temperaturas mais baixas devido à ocorrência de vasoconstrição, diminuição do fluxo sanguíneo, e consequentemente, da nutrição e oxigenação dos tecidos musculares.

Teoria da desidratação: durante a prática de exercício físico ocorre a produção de suor com a finalidade de reduzir a temperatura corporal, podendo gerar um quadro de desidratação e acelerar o surgimento da fadiga muscular, causando uma perda de fluidos corporais e um possível desequilíbrio hídrico na musculatura, interferindo no processo de contração muscular. Porém, as cãibras podem continuar a surgir mesmo que ocorra a ingestão de grande quantidade de água ou outras bebidas com baixo teor de sódio.

Teoria Eletrolítica: esta teoria está ligada à teoria da desidratação visto que a perda de eletrólitos ocorre por meio do suor, ocasionando uma baixa concentração de sódio, cloro, potássio e magnésio, e consequentemente, prejudicando a contração muscular.

Teoria metabólica: sugere que as cãibras podem acontecer em virtude do acúmulo de metabólitos originários da contração muscular nas próprias fibras musculares, como a amônia e o ácido láctico, alterando o pH do meio e prejudicando as reações bioquímicas e o funcionamento das fibras musculares. Esta teoria é considerada a mais frágil dentre as quatro propostas.

As teorias não ocorrem isoladamente, sendo que a nutrição e a hidratação adequada do atleta/esportista contribuem positivamente para a prevenção ou adiamento do surgimento das cãibras. Além destas teorias, a variabilidade individual pode fazer com que alguns atletas sejam afetados por cãibras, enquanto outros com características físicas semelhantes, no mesmo ambiente e com dieta semelhante não sejam.

Suplemento para prevenir cãibras

Durante muitos anos, houve a associação das cãibras ao déficit no organismo de potássio ou outros minerais como cálcio ou magnésio. Porém, alguns estudos já mostraram que o déficit desses minerais é menos propenso a causar cãibras, já que as quantidades de potássio, cálcio e magnésio na transpiração são baixas se comparadas com as de sódio e cloro, e são facilmente repostos através da dieta. Atletas e esportistas geralmente ingerem maiores quantidades de vitaminas e minerais, logo, a suplementação destes minerais para prevenção de cãibras não teria fundamento, podendo, inclusivamente, ser perigosa em alguns casos.

É necessário conhecer seus limites, incluindo a intensidade e a duração dos exercícios que serão desempenhados, o ambiente e as condições climáticas do local para poder adequar a nutrição e a hidratação correta para a prevenção das cãibras.A hidratação deve ser realizada antes, durante e depois da atividade, e deve repor não apenas os líquidos perdidos, como também os eletrólitos, dando uma ênfase maior ao sódio. Além disso, a nutrição do atleta/esportista deve ser planejada com um auxílio de um profissional nutricionista para fornecer energia, macronutrientes e micronutrientes antes, durante e após o término dos exercícios, e com isso adiar o aparecimento da fadiga muscular.

Caso as cãibras sejam recorrentes é importante realizar uma avaliação médica para avaliar outras possíveis causas relacionadas com medicação, doenças, desordens metabólicas ou outros fatores.

Miller T.M., Layzer R.B. Muscle cramps. Muscle Nerve. Vol. 32. 2005. p. 431-442.
Meyer, F.; Perrone, C.A. Hidratação pós-exercício: Recomendações e Fundamentação Científica. R. bras. Ci e Mov. Vol. 12 (2). 2004. p. 87-90.
Eichner, E.R. The Role of Sodium in Heat Cramping. Sports Med. Vol. 37 (4-5). 2007. p. 368-370.
Kantarowski P, Hiller W, Garrett W. Cramping studies in 2600 endurance athletes. Med Sci Sports Exerc. 1990.
Cooper E, Ferrara M, Broglio S. Exertional heat illness and environmental conditions during a single football season in the Southeast. J Athl Train. 2006; (41):332-36.
Allan JR. Influence of acclimatization on sweat sodium concentration. J Appl Physiol. 1971; (30):708-12.
Laird R. Medical care at ultraendurance triathlons. Med Sci Sports Exerc. 1989; (21):222-25.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*