Whey protein: composição e benefícios para a saúde humana

As proteínas do soro do leite (whey protein) são consideradas fontes proteicas de ótimo valor biológico, contendo um alto teor de aminoácidos essenciais, especialmente os de cadeia ramificada (BCAA’s). Também apresentam quantidades significativas de cálcio e de peptídeos bioativos do soro, que estão relacionados a diversos benefícios à saúde humana, devido às suas ações antimicrobianas, anti-hipertensivas, reguladoras do sistema imune, antioxidantes e hipocolesterolêmicas, que serão posteriormente explanadas com maior grau de detalhes.

COMPOSIÇÃO DO SORO DO LEITE

A proteína do leite bovino é constituída de 80% de caseína e 20% de proteínas do soro do leite, enquanto que, no leite humano, os percentuais são maiores e com maior variação. No colostro (produzido apenas nos primeiros dias pós-parto), as proteínas do soro representam cerca de 80% da composição proteica, com uma posterior diminuição para 50% da composição.

Os peptídeos bioativos do soro são constituídos pelas beta-lactoglobulinas (BLG), alfa-lactoalbumina (ALA), albumina do soro bovino (BSA), imunoglobulinas (Ig’s) e glico-macropeptídeos (GMP), sendo cada uma dessas frações proteicas responsáveis por efeitos distintos.

A BLG é considerada o maior peptídeo do soro, em concentrações que variam de 45 – 57% do mesmo. É resistente à ação de enzimas e ácidos proteolíticos presentes do estômago, sendo portanto absorvida diretamente no intestino delgado. Também é o peptídeo que apresenta maior teor de aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA), sendo equivalente a 25% do total.

A ALA é a segunda fração proteica em maior concentração no soro do leite bovino, variando de 15 – 25%. Já no leite humano, representa a fração principal do mesmo. É caracterizada por ser de rápida e fácil digestão, além de conter o maior teor de triptofano, entre todas as fontes proteicas alimentares, além de ser rica em lisina, leucina, tronina e cistina. Também é importante por possuir a capacidade de se ligar a alguns minerais, como o cálcio e o zinco, favorecendo a absorção dos mesmos. Além disso, possui também atividade antimicrobiana contra bactérias patogênicas (que causam doença).

A BSA corresponde a cerca de 10% das proteínas do soro do leite, sendo considerada uma fração rica em cistina e um relevante precursor na síntese da glutationa, que desempenha importantes funções biológicas no nosso organismo, como garantir o normal funcionamento do sistema imune, papel antioxidante, função reguladora de outros antioxidantes, entre outras.

No leite bovino estão presentes quatro das cinco classes de Ig’s existentes (IgG, IgA, IgM e IgE), sendo a IgG a principal constituinte (80% do total de Ig’s) e está diretamente relacionada à proteção do organismo contra infecções. No leite humano, a IgA é que representa a principal imunoglobulina, que possui importantes ações biológicas de imunidade e atividade antioxidante.

Por último, como constituinte das principais frações proteicas do soro do leite, temos o GMP que apresenta características de resistência ao calor, à digestão e a mudanças de pH. É um peptídeo derivado da digestão de uma fração específica da caseína, denominada caseína-kapa e, por isso, alguns autores não a consideram como um peptídeo do soro. Também é conhecida por favorecer a absorção de minerais no intestino e por possuir um alto teor de aminoácidos essenciais, ou seja, aqueles que não são produzidos pelo nosso organismo e tem de estar presentes em nossa dieta.

comprar whey protein

PROTEÍNA DO SORO DO LEITE É CONSIDERADA UMA DAS MELHORES

Como foi visto anteriormente, a proteína do soro do leite é formada por diferentes frações proteicas que apresentam características individuais em suas composições e benefícios propiciados. Por isso a proteína do soro do leite é considerada uma das melhores (senão a melhor) fonte de proteínas existentes, por possuir uma adequada composição de aminoácidos, rica principalmente em aminoácidos essenciais. Além disso, os benefícios adicionais de suas frações proteicas, junto com suas características nutricionais, ampliam o uso do whey protein além de indivíduos praticantes de atividade física que visam o aumento de massa muscular e do desempenho, mas também como uma importante ferramenta nutricional para idosos e pacientes hospitalares, estes que, em muitos casos, estão com a imunidade e nutrição comprometidas e por isso mais suscetíveis a infecções. A utilização do mesmo nessas e em outras situações, devem ser feitas após uma avaliação individual de sua aplicabilidade e necessidade naquele paciente ou indivíduo, analisando quais os benefícios esperados no caso e os modos e quantidades de utilização.

Em um estudo, foi demonstrado que as proteínas do soro do leite possuem a capacidade de promover a formação dos ossos em humanos, estimulando a proliferação e diferenciação de osteoblastos, que são células jovens do tecido humano responsáveis pela produção de importantes componentes da matriz óssea, sendo assim essenciais para sua adequada formação e funcionalidade. Essa capacidade verificada está relacionada com o aumento da densidade mineral óssea (importante em deixar os ossos mais fortes) e em inibir a reabsorção de cálcio, que é um processo fisiológico do organismo humano em que é retirado o cálcio dos ossos (em situações em que a dieta não supre as necessidades de cálcio do organismo) para manter adequadas todas as funções biológicas relacionadas a este mineral. Sendo assim, além de ser uma boa fonte de cálcio, a proteína do soro do leite também pode atribuir benefícios adicionais relacionados à formação e proteção óssea, o que a torna uma importante ferramenta na prevenção e tratamento da osteoporose, principalmente em indivíduos idosos, que são mais predispostos ao acometimento da osteoporose e possuem a absorção de nutrientes dificultada em seu organismo e por isso possuem recomendações aumentadas de diversos nutrientes.

MAIS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE HUMANA

O impacto das proteínas do soro do leite no controle da hipertensão e do colesterol também foi analisado por inúmeras pesquisas. Em uma delas, foi estudado o efeito das proteínas do soro em sua forma hidrolisada na pressão sanguínea. O resultado demonstrou um efeito redutor da pressão sanguínea, tanto sistólica quanto diastólica e de aumento na atividade da bradicinina, um importante vasodilatador humano. Outro estudo, que administrou um leite fermentado enriquecido com a proteína do soro do leite concentrada, também demonstrou resultados positivos em relação à pressão sanguínea, além de uma significativa elevação da concentração do colesterol HDL (colesterol bom), redução da concentração de triglicérides e diminuição do risco cardíaco.

Além de todos os benefícios já mencionados, também foram feitos estudos com frações específicas da proteína do soro do leite para verificar possíveis benefícios das mesmas. Em um dos trabalhos, feito com pacientes submetidos ao estresse, foi administrada uma dieta enriquecida com a fração ALA (rica em triptofano) em comparação com uma outra dieta placebo, composta de caseína. Como o triptofano é um precursor de seretonina no cérebro (neurotransmissor relacionado a alterações de humor e estresse), o objetivo do estudo era verificar se a dieta com a fração enriquecida com ALA poderia apresentar benefícios em relação ao humor e ao estresse em indivíduos submetidos a condições estressantes. Sendo assim, foi evidenciado que o aumento da disponibilidade de triptofano foi eficiente em estimular a produção de serotonina, melhorando o humor e a depressão dos pacientes estudados de modo significativo.

CONCLUSÃO

As proteínas do soro do leite apresentam um adequado perfil de aminoácidos, principalmente os essenciais, o que as caracterizam como proteínas de alto valor biológico. Também possuem peptídeos bioativos do soro, que conferem a elas diferentes propriedades funcionais e aplicabilidades, que podem trazer benefícios à saúde humana de diversas maneiras. Mesmo assim, a sua utilização deve ficar restrita a condições que realmente a torne necessária, de acordo com critérios a serem analisados pelo profissional e o uso do bom senso. Vale ressaltar que a alimentação adequada deve ser prioridade, sempre utilizando-se diferentes classes de alimentos com o intuito de torná-la completa na obtenção de todos os nutrientes necessários para a manutenção do organismo e que ao mesmo tempo podem trazer benefícios equivalentes e até adicionais aos que estão relacionados à proteína do soro do leite, principalmente na prevenção de diversas doenças. Sendo assim, o objetivo deste artigo era de apresentar diferentes aplicabilidades e benefícios que o uso do whey protein possui, mostrando que pode ser utilizado como parte de estratégias nutricionais em situações e com objetivos divergentes a que estamos acostumados a ver.

REFERÊNCIAS:

Haraguchi FK, Abreu WC, De Paula H. Proteínas do soro: composição, propriedades nutricionais, aplicações no esporte e benefícios para a saúde humana. Rev Nutr. 2006; 19(4):479-88.
Link: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-52732006000400007&script=sci_arttext
Hulmi J, Lockwood C, & Stout, J. Effect of protein/essential amino acids and resistance training on skeletal muscle hypertrophy: A case for whey protein. Nutrition & Metabolism. 2010; 7(51).

Por
Hugo Comparotto
Nutricionista – CRN 3-32289
Nutrição e Metabolismo pela FMRP – USP
Especialista em Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Gama Filho
Especialista em Nutrição Esportiva Funcional – Instituto Valeria Paschoal
Pós Graduando em Fitoterapia – Famatec
Curso de aprimoramento em Fisiologia do Exercício – Universidade Politécnica de Madrid – INEF – Espanha
Consultor Científico Atlhetica Nutrition
www.atlheticanutrition.com.br
www.nutricionistahugo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*